Corintiano acusado de esfaquear palmeirense alega legítima defesa - OChute }

Corintiano acusado de esfaquear palmeirense alega legítima defesa

por   em Notícias
  • O torcedor Nerivaldo seria o dono de uma borracharia e foi orientado por seu advogado a não se apresentar à polícia

    Destaque Corintiano acusado de esfaquear palmeirense alega legítima defesa Divulgação/Agência Corinthians
    Gostou: avalie
    (0 votos)
    Publicidade

    O terceiro torcedor do Corinthians acusado de participar da morte do palmeirense Leandro de Paula Zanho, na noite de quarta-feira (12), iria se apresentar à polícia, mas foi aconselhado por seu advogado, Marcello Muccio, a não comparecer a uma delegacia. O nome do suspeito é Nerivaldo.

    Segundo Muccio, os corintianos estavam na porta da borracharia de Nerivaldo e foram insultados por quatro palmeirenses que passavam pelo lugar. Os facões e a barra de ferro utilizadas na briga eram do estabelecimento comercial e, segundo seu advogado, Nerivaldo agiu em legítima defesa.

    "Diante de uma absurda agressão contra o Anderson (Andrade, que está preso acusado de participação no crime), o Nerivaldo se viu no desespero de ajudar o primo [Anderson]. Ele teve de reagir. Por que os palmeirenses não estão presos, sendo que eles provocaram e agrediram? O Anderson e Nerivaldo estavam na borracharia sem provocar ninguém. Apenas comemorando a vitória do Corinthians", declarou Muccio.

    A briga entre os quatro alviverdes e os três alvinegros aconteceu entre Rua Tupi e a Avenida General Olímpio da Silveira, na zona oeste da capital paulista. Por consequência da confusão, Leandro de Paula levou duas facadas no abdômen e morreu pouco depois.

    Anderson Andrade, acusado de ter desferido o golpe com a faca, e Wellington Pimentel, que teria usado barra de ferro na briga, são os corintianos que já estão detidos. Testemunhas também acusaram Nerivaldo de ter esfaqueado o palmeirense morto.

    "A intenção era comparecer na quinta-feira para depor e depois ser liberado. Mas o delegado pediu a prisão preventiva. E discordamos disso, pois o Nerivaldo agiu em legítima defesa. Vamos tomar providências técnicas e reunir vídeos e testemunhas para mostrar que tanto ele só reagiu porque o Anderson estava sendo agredido brutalmente por quatro pessoas".

    Relacionadas