Carille diz ter respaldo da diretoria do Corinthians - OChute }

Carille diz ter respaldo da diretoria do Corinthians

por   em Notícias
  • Novo técnico quer estilo de jogo parecido com o de Tite: "Aproximação, linhas compactas, buscando triangulações. Meu jeito de ser é parecido com ele", afirmou

    Destaque Carille em treino do Timão Divulgação / Corinthians Carille em treino do Timão
    Gostou: avalie
    (0 votos)
    Publicidade

    Fábio Carille tem pela frente o maior desafio da carreira assumindo o comando técnico do Corinthians. O novo treinador pretende assinar seu primeiro contrato como efetivo, deixando o posto de interino, acordo que será feito no retorno do presidente Roberto de Andrade, na próxima segunda-feira.

    Carille afirmou ter o respaldo da diretoria ao assumir o clube. "Eu fico respaldado sim. Na verdade, eu sabia que era interino com a chegada do Cristóvão. Na chegada do Oswaldo, disse que eu ficaria até dezembro para não trazer um novo profissional antes e já começar o planejamento para 2017. Isso eu mesmo falei para o presidente na ocasião", disse.

    O novo comandante corintiano teme uma nova saída de atletas. "Me preocupa bastante. Sei que isso faz parte por isso estamos de olho em vários jogadores. Nossa ideia é manter os principais atletas. Faz parte do futebol e corremos este risco. Já estamos atentos no mercado para repor, se perdermos jogadores. O quanto antes tivermos o grupo definido, melhor para alinhar", afirmou.

    Sobre seu estilo de jogo, Carille afirmou que tentará manter a filosofia de Tite. "Vai ser a mesma linha de trabalho do Tite com aproximação, linhas compactas, buscando triangulações. Meu jeito de ser é parecido com ele. Foram cinco anos e meio juntos e irei buscar isso. A gente sabe que é repetição, trabalho e a minha linha será buscar comportamentos que tivemos na época dele", relatou.

    A respeito de contratações o técnico definiu o número que espera para a temporada. "Contratações pontuais, três ou quatro fora os outros para fortalecerem o grupo, sem que percamos ninguém. Se perdermos, precisaremos de recomposições para qualificar estes setores". concluiu.