A importância da ascensão das 'pequenas' seleções no futebol - OChute }

A importância da ascensão das 'pequenas' seleções no futebol

por   em Editorial
  • Islândia, Panamá, Egito e vários outros países se superam e mostram a importância de um bom trabalho no esporte

    Destaque A importância da ascensão das 'pequenas' seleções no futebol Reprodução/Twitter
    Gostou: avalie
    (0 votos)
    Publicidade

    A Copa do Mundo de tempos em tempos nos reservas boas surpresas. Nas últimas edições, equipes como Gana, Senegal, Costa do Marfim, Coréia do Sul, Colômbia, Argélia, Costa Rica e Turquia acabaram surpreendo, mesmo com a maioria não conseguindo sequer passar da fase de oitavas de final.

    O Mundial da Rússia também já reserva gratas surpresas antes mesmo de a bola rolar. Isso porque nesta semana a Islândia e o Panamá garantiram as suas classificações e pela primeira vez irão disputar o torneio. Além das duas seleções, o Egito após 28 anos também está de volta a Copa. Mesmo caso da seleção peruana que se conseguir passar pela Nova Zelândia na repescagem também volta ao torneio.

    Em contrapartida, Holanda, EUA e o Chile decepcionaram e ficaram de fora. O maior destaque fica para a Laranja Mecânica que nas duas últimas edições do Mundial ficou na segunda e na terceira posição. Porém, a situação não pegou ninguém de surpresa já que a mesma Holanda já havia falhado na tentativa de se classificar para a última Eurocopa, vencida por Portugal na França em 2016. Os chilenos, bicampeões da Copa América começaram as Eliminatórias como a grande sensação, mas caíram e terminaram desapontando o seu torcedor.

    Essa oposição entre seleções tradicionais e equipes que aparecem surpreendendo de tempos em tempos é ótima para o futebol e mostra a importância do trabalho de uma federação. Claro, nenhuma das duas equipes que vão pela primeira vez ao Mundial irão lutar pelo título na Rússia. No entanto, ambas já conseguiram feitos históricos para a população da Islândia e do Panamá que não tem tradição alguma no futebol e mesmo com uma população pequena (330 mil e 4 milhões respectivamente) conseguiram avançar por conta do trabalho.

    A comemoração de jogadores, narradores e torcedores locais é emocionante. Mostra a essência do futebol, a superação, a luta e a entrega em um momento em que o esporte passa por inúmeros escândalos que não foram resolvidos (como é o caso da FIFA e de várias federações como a CBF).

    Muito se falou também, diante da possibilidade de Portugal e Argentina ficarem de fora, de como seria ruim ficar sem Cristiano Ronaldo e Messi em um evento tão importante como é a Copa do Mundo. Claro, todos gostam de ver os dois melhores do mundo em campo, mostrando todo os seus repertórios de técnica e habilidade. Mas, de nada serviria as suas presenças se elas não fossem realmente merecidas.

    Bom mesmo é ver países como Panamá, Islândia, Egito, Síria, Honduras e tantos outros que brigam, lutam, superando as expectativas e surpreendendo, mostrando que o trabalho bem feito pode gerar bons frutos.

    Resta ainda pouco mais de oito meses para a Copa do Mundo da Rússia, mas ela já começou para muitos e começou em grande estilo.

    Relacionadas