Justiça rejeita recurso de Laporta e facilita acordo entre Barcelona e Promotoria em caso Neymar }

Justiça rejeita recurso de Laporta e facilita acordo entre Barcelona e Promotoria em caso Neymar

por   em Notícias

Laporta e um grupo de sócios tentavam "atuar" como partes prejudicadas no processo envolvendo a contratação de Neymar

Destaque Justiça rejeita recurso de Laporta e facilita acordo entre Barcelona e Promotoria em caso Neymar Reprodução/Twitter
Gostou: avalie
(0 votos)
Publicidade

Nesta terça-feira a Justiça de Barcelona anunciou que recusou o recurso apresentado por Joan Laporta e um grupo de sócios do Barcelona que pretendiam atuar como partes prejudicadas no caso envolvendo a contratação de Neymar. Caso se apresentasse como parte da acusação no processo, o ex-presidente do clube impediria o pacto firmado entre o Barcelona, a Procuradoria e a Advocacia-Geral da Espanha.

"Em nenhum caso podemos aceitar que possam ser vítimas (nem prejudicados ou ofendidos) um grupo de sócios do Barcelona", disse a Audiência de Barcelona na sentença divulgada nesta terça.

O acordo feito pelo clube catalão que ainda precisa ser ratificado reconhece que o clube teria cometido dois crimes fiscais em 2011 e 2013 na contratação de Neymar. Além disso, o clube se comprometeu a pagar uma multa de 5,5 milhões de euros para que o ex-presidente Sandro Rosell e o atual, Josep Maria Bartomeu, sejam inocentados das acusações.

Laporta enviou o recurso ao tribunal em junho, com intenção de se apresentar no processo como parte prejudicada. Com a confirmação da decisão do juiz de instrução por parte da Audiência de Barcelona, a tentativa do ex-presidente foi frustrada e o acordo deve ser cumprido.

Além de rejeitar o recuso, os juízes também reprovaram a atitude de Laporta e dos sócios por quererem "utilizar um processo penal para criticar e desautorizar a gestão realizada por determinadas pessoas nos últimos anos". A sentença lembra que "existem outras vias e instrumentos para expressar críticas, sem que o processo penal seja o mais adequado, mais ainda quando se trata de crimes fiscais".

Entre ou criar uma conta

fb iconAcesse com Facebook