Com o repasse do Maracanã, Fla avalia jogar longe do Rio em 2017 }

Com o repasse do Maracanã, Fla avalia jogar longe do Rio em 2017

por   em Notícias

A Lagardère está próxima de comprar a concessão da Odebrecht e a diretoria rubro-negra já fala na construção de estádio próprio

Destaque Com o repasse do Maracanã, Fla avalia jogar longe do Rio em 2017 GOVERJ
Gostou: avalie
(0 votos)
Publicidade

O Flamengo tinha a intenção de participar da licitação para a administração do Maracanã, anunciada pelo governo do Rio de Janeiro em setembro. No entanto, a notícia de que representantes do estado, a Odebrecht e a Lagardère se reuniram na semana passada jogaram um balde de água fria nos planos rubro-negros.

No último sábado (5), nos bastidores da partida entre Flamengo e Botafogo, os dirigentes do clube da Gávea se mostravam inconformados com a mudança de rumo promovida pelo governo do Rio com relação ao estádio.

Primeiramente, havia um pré-acordo para a empresa CSM, parceira de Flamengo e do Tricolor, assumir a concessão do Maracanã. Mas o estado decidiu por nova licitação, o que agradava o Flamengo e desagradava o Fluminense, que tem contrato por mais 30 anos em termos considerados vantajosos financeiramente. O repasse da concessão é prejudicial ao Fla, mas é interessante para a diretoria tricolor.

Publicamente, o Flamengo desconsidera a ideia de jogar em outro lugar, mas o assunto voltará a ser discutido, visando o planejamento do clube para 2017. Há consenso de que o clube não vai voltar atrás na decisão de se afastar do Maracanã se não houver nova licitação. A diretoria também avalia a possibilidade da construção de um estádio próprio, no entanto, o projeto só começaria a se tornar concreto depois de 2018.

A adoção de uma estratégia parecida com a deste ano, mandando partidas para várias cidades diferentes, é uma possibilidade. O desgaste dos membros da equipe e os problemas de logística enfrentados pelo departamento de futebol seriam compensados pela possibilidade de o clube faturar mais com bilheteria, incrementar o programa sócio torcedor e garantir mais receitas para investir no time.

Durante evento destinado a embaixadas rubro-negras, no domingo, na Gávea, o diretor geral do Flamengo, Fred Luz, disse que ainda espera a licitação até março de 2017. De acordo com ele, se o Flamengo não for protagonista na nova administração do Maracanã, o clube vai investir na construção de seu próprio estádio.

“Flamengo tem que ser protagonista neste processo. Qualquer empresa que assumir buscará seu lucro em cima das receitas do Flamengo. Nosso objetivo é gerar riqueza para investir em seu time, no relacionamento com seus torcedores, não enriquecer terceiras empresas. É claro que o clube terá necessidade de empresas parceiras, mas como prestadoras de serviço e não protagonista. Neste momento, esta é a discussão que temos com o Estado. Quem paga mais de R$ 100 milhões por ano em dívida tem capacidade de investir R$ 150 milhões em um estádio. Não seria bom para o Maracanã nem para o Estado, mas o Flamengo não vai hesitar em tomar esse caminho, de construir um novo estádio, se necessário”, disse Fred Luz, em declaração reproduzida no site oficial do Flamengo.

O estádio mané Garrincha, em Brasília, e Cariacica, onde o time do Flamengo conseguiu uma boa sequência de vitórias no segundo semestre, aparecem como alternativas para o clube, caso o governo do Rio insista na possibilidade de repassar a concessão do Maracanã. Os dirigentes rubro-negros chegaram a se reunir com a Lagardère, que tem como sócia a BWA e também a Ferj. No entanto, as tratativas não avançaram justamente por conta da BWA.

Outra possibilidade seria a utilização do estádio de Deodoro, do Exército, e que foi utilizado nas olimpíadas para abrigar o hóquei de grama. Negociações com o Botafogo para atuar no Engenhão também não estão descartadas.

A Lagardère é a atual administradora do Castelão, em Fortaleza, e do Independência, em Belo Horizonte. A empresa francesa ainda disputou a licitação do Maraca com a Odebrecht, mas perdeu. Pelo contrato original, o investimento da concessionária seria acima de R$ 500 milhões, mas mudanças no escopo do contrato fizeram os valores caírem para cerca de R$ 150 milhões. A Lagardère deve pagar R$ 40 milhões para assumir a concessão.

Alterado: Segunda, 07 Novembro 2016 15:10

Entre ou criar uma conta

fb iconAcesse com Facebook