Quem quer Dunga? }

Quem quer Dunga?

por   em Editorial

Falta de propostas mostra desconfiança no trabalho do ex-treinador da seleção brasileira e evidencia que aposta foi erro da CBF

Destaque Dunga em treino da seleção Divulgação / CBF Dunga em treino da seleção
Gostou: avalie
(0 votos)
Publicidade

Desde que foi demitido da seleção brasileira, em junho deste ano, o técnico Dunga parece não ter gerado interesse de outras seleções ou mesmo clubes em seu trabalho. Escolhido por duas vezes para comandar o Brasil, o treinador raramente é alvo de especulações em outros lugares, mostrando que a escolha da CBF em seu trabalho não fazia muito sentido.

Dunga foi a resposta da federação brasileira depois do fracasso de uma forte seleção na Copa de 2006. Como o trabalho do antecessor Carlos Alberto Parreira era considerado fraco em termos de disciplina, um treinador "linha dura" foi chamado ao cargo, mesmo sem nenhuma experiência prévia. Surpreendentemente, o gaúcho retornou à seleção depois da Copa do Mundo de 2014, realizada no Brasil e marcada pelo vexame do 7 a 1. Nesse meio tempo, Dunga teve apenas uma experiência como técnico, no Internacional, sem sucesso.

O trabalho do comandante à frente do Brasil sempre foi limitado. A inexperiência era a principal adversária do desempenho de Dunga. Além disso, era comum que o treinador criasse intrigas com alguns atletas e depois os deixasse de fora das convocações apenas por "birra", prejudicando o time.

O relato de Daniel Alves sobre a presença de Tite na seleção acaba por respingar no desempenho de Dunga no comando da Amarelinha. "A experiência do professor, o ano que ele passou se reinventando e a energia que ele tem, que contagia o nosso grupo. O respeito que ele tem com todos, isso faz com que formemos um grupo forte, competitivo, um grupo com uma grande identidade e as pessoas que chegam conectam muito rápido, porque vem e gostam. Era o que a gente queria para a Seleção. Ele te faz crescer. É um lutador e estamos formando um grupo de lutadores. Eu acredito que hoje estamos vivendo um grande momento", afirmou o experiente lateral.

O lateral Filipe Luis também admitiu que o trabalho não andava bem com o antigo treinador. "As coisas não estavam saindo como ele queria. Tenho certeza que não era culpa do Dunga. Mas, às vezes uma mudança é positiva. São técnicos com maneiras diferente de trabalhar, mas com a mesma ambição de vencer. E acho que a Seleção está conquistando essa coisa de se acostumar a ganhar de novo, sentindo o respeito dos adversários", disse.

A falta de confiança no trabalho de Dunga antes e depois de o treinador assumir a seleção brasileira evidencia que a manutenção dele foi um erro cometido por duas vezes pela CBF. Com os mesmos jogadores, o Brasil hoje consegue apresentar um padrão de jogo que não era visto há tempos no time canarinho.

Entre ou criar uma conta

fb iconAcesse com Facebook